Posts Tagged ‘viva favela’

“Expresso África”: o B2B por Viviane Oliveira, correspondente no Complexo da Maré do Viva Favela

08/09/2009

VivianePor muitas vezes passei em frente à estação ferroviária da Leopoldina, em algumas situações cheguei até muito perto, pois em frente existe o ponto final de uma linha de ônibus que peguei algumas vezes. Fiquei surpresa quando recebi o convite da produção do festival, em parceria com o Viva Favela, para ir no festival Back2Black. Sempre achei o prédio com um aspecto de abandonado e ficava imaginando como seria a estação por dentro.

Chegou o sábado, 29, e mais uma surpresa: o prédio, com cara de abandonado, parecia outro. A iluminação da fachada e a limpeza da rua davam uma beleza ao local que eu nunca tinha percebido.

Pensei que aquele edifício merecia estar sempre assim, já que faz parte da história da nossa cidade. Enfim, entrei e comecei a observar a decoração. Alguns mapas da África davam uma aula de geografia, tomara que aqueles painéis sejam aproveitados em algumas escolas, acho que os alunos iriam gostar. Por dentro, a estação também estava muito bonita e o ambiente é enorme. Nesse espaço me deparei com uma exposição de fotos africanas. Não sei dizer quem eram os fotógrafos, mas a beleza das imagens era indiscutível. Pouco depois, descobri que no início de cada atividade, as fotos subiam fazendo movimentos sincronizados. Muito bonito!

Encontrei o MV Bill antes de começar a conferência Cultura e Desenvolvimento e perguntei sobre informações do evento e a relação com os moradores da periferia. Ele, de forma muito direta, fez uma colocação sobre o preço dos ingressos, que poderia afastar a população de baixa renda.

Iniciada a conferência “Cultura e Desenvolvimento” que tinha como convidados: o rapper MV Bill, o cantor e compositor senegalês Youssou N’Dour, o cineasta sul-africano Gavin Hood e a cantora Angelique Kidjo, do Benin. Eu estranhei um pouco a tradução simultânea. Mas logo depois acostumei e acompanhei a fala dos convidados. Concordei com algumas colocações, discordei de outras, mas no geral achei o debate dinâmico e muito proveitoso.

Angelique Kidjo ressaltou à importância da educação, principalmente para as meninas, pois uma mãe educada luta pelo direito à educação de seus filhos. Identifiquei com a fala, pois sou mãe de uma menina de sete anos e luto com todas as forças para que a minha filha tenha uma boa educação.

A conferência terminou e começaram os shows. O primeiro foi o do MV Bill. Eu achei muito legal porque nunca tinha assistido a um show dele. Depois foi a vez da Banda Black Rio homenageando Tim Maia, que contou com a participação do Mano Brown, Ice Blue e Ed Motta. Os caras mandaram muito bem e levantaram a galera. Eu me diverti muito, mas o melhor ainda estava por vir: o DJ Znobia e seus dançarinos com o Kuduro de Angola. Sem desmerecer os outros artistas que mandaram muito bem, eles foram os melhores.

Eu fiquei arrepiada quando aquela batida começou a tocar e os meninos a dançar. O DJ não cansava de repetir a frase “isso é kuduro, isso é kuduro, isso é Angola” e eu não cansava de ouvir e nem conseguia parar de olhar para aqueles garotos se requebrando. Parecia que eles não tinham osso no corpo. Eu nem me atrevo a tentar copiar. Olhando para eles dançando o kuduro, eu via a África, Angola e o Complexo da Maré, que concentra o maior número de imigrantes angolanos no Rio. Pensei, naquele momento, nas crianças que moram na minha rua dançando como aqueles meninos. Imaginei que aquela apresentação poderia ser na minha comunidade ou em qualquer outra. A apresentação deles realmente me emocionou.

Depois do show teriam outros artistas, como o pessoal do Krumping e o DJ Sany Pitbull. Atravessando a passarela que fica em frente à estação, dei mais uma olhada para aquela bonita fachada, toda iluminada.

*Viviane Oliveira é moradora da Maré e participa da oficina de correspondentes multimídia oferecida pelo Viva Favela.

Anúncios

“Expresso África”: o B2B por Michel Fernandes, o Don, correspondente do Viva Favela na Cidade de Deus

03/09/2009

DonSai de casa na Cidade de Deus às 18 horas e parti para a Leopoldina. Ao chegar no hall da portaria me deparei com vários painéis enormes mostrando vários dados geográficos e culturais do continente africano, como idiomas falados em cada país, quantidade de mortos em cada conflito, mapa dos países africanos e o nome dos seus colonizadores europeus.

Fiquei honrado por ser de uma comunidade carente (em todos os sentidos) e poder obter aquelas informações que desconhecia e que de fato são bem preciosas no que diz respeito à minha descendência e origem do meu povo. Sinceramente sentia felicidade e tristeza. Felicidade por saber o quanto que meu continente de origem é rico culturalmente e triste com os dados de mortos em conflitos étnicos, não me lembro exatamente essas informações, mas elas me surpreenderam demais.

Mais adiante entramos no saguão principal onde havia uma exposição de fotos e televisões que exibiam documentários com vários assuntos relacionados ao continente africano. Eu amo fotografia e fui ver os painéis, de aproximadamente 2 metros, alinhados e pendurados por cabos de aço formando corredores. Nessas fotografias me deparei com situações de cotidiano e cultura daquele continente. Encontrei fotos de crianças e idosos, homens e mulheres, ricos e pobres, príncipes e plebeus, as crenças e religiões; um vasto acervo  que me fez perceber o quanto África influenciou o mundo culturalmente.

Dentro de cada fotografia, crescia uma vontade de explorar e conhecer as minhas origens. Após ver os painéis observei que no teto do espaço estavam vários painéis com informações sobre a economia e geografia do continente. Uma informação chamou minha atenção, pois falava da quantidade de riquezas minerais produzidas em solo africano. Descobri que 40% do ouro produzido no mundo vem de terras africanas. A pergunta que ficou na minha cabeça era: como é possível tanta riqueza gerar a pobreza que vemos no continente?

Também vi que grande parte da transação comercial no continente é feita via África do Sul. Imagine o potencial econômico que existe lá por lá? Dá para fazer uma comparação com a situação de comunidades carentes, como a minha, que estão atrasadas em relação a outras regiões da cidade, tanto na economia, educação e cultura devido à questão da violência, falta de oportunidades e descaso do governo.

A conferência começou com Angelique Kidjo, que ressaltou o trabalho que desenvolve dando bolsas de estudos para as meninas africanas e acrescentou também que o ser humano precisa parar de individualizar e trabalhar junto, independente da cor, crença e cultura.

Youssou N’Dour lembrou, na sequência, que a música pode ser considerada mais um idioma e que a mesma pode ajudar a desenvolver novas idéias. O cineasta Gavin Hood ressaltou a importância da educação para gerar desenvolvimento social no continente africano.

MV Bill, o mais aplaudido da noite, e morador da minha comunidade, honrou muito bem a oportunidade que teve para falar sobre a cultura e o desenvolvimento. Começou falando da sua contribuição na área social, através dos seus projetos de livros e documentário. Bill também abordou a falta de afrodescendentes na TV brasileira e frisou que a educação no país é um artigo de luxo e que as pessoas precisam aprender a ser protagonistas da sua própria história.

Após a conferência fui para uma área na plataforma de embarque, que virou uma pista de dança, com dois ambientes: um lounge e black music (anos 60 e 70), quando encontrei um amigo da minha comunidade, o João, integrante de uma companhia de teatro, a Bem Brasil.

Na volta pra casa, senti alegria por ter participado desse evento e, dentro do ônibus, vendo as ruas escuras, silenciosas e vazias da Cidade de Deus, a  tristeza veio à tona pelo fato de muitos estarem dormindo e inconscientes das nossas origens, da nossa cultura e de tantas coisas que possam contribuir para uma mudança social da minha comunidade. “Um povo sem conhecimento do seu passado, origem e cultura é como uma árvore sem raízes”, diria  Bob Marley.

** Michel Fernandes (Don) é morador da Cidade de Deus, MC e participa da oficina de correspondentes multimídia oferecida pelo Viva Favela.